Sendo a preservação do equilíbrio econômico-financeiro um direito, a sua eficácia e efetividade dependem de ser possível definir nas instâncias decisórias administrativas e judiciais os critérios econômicos e financeiros para sua execução, mesmo em relação a contratos omissos sobre esse tema.